Tuball Handerson Pinheiro Sousa

Tecnologias digitais e ensino/aprendizagem: um estudo com um professor de teclado Tuball Handerson Pinheiro de Sousa (UF...

0 downloads 45 Views 235KB Size
Tecnologias digitais e ensino/aprendizagem: um estudo com um professor de teclado Tuball Handerson Pinheiro de Sousa (UFPB)

Resumo: Esse texto apresenta uma pesquisa em andamento que investiga a proposta de ensino de um professor de teclado que atua através da internet.1 Tem como objetivos: verificar as concepções do ensino que fundamentam a proposta; identificar os procedimentos propostos para o desenvolvimento do processo de ensino/aprendizagem através da internet; levantar quais os meios tecnológicos utilizados no ensino/aprendizagem desse professor; analisar o material didático utilizado. A metodologia é de um estudo de caso cujas técnicas de coleta de dados consistem em entrevistas semi-estruturadas via Skype e observações por meio do blog, dos fóruns. A investigação aponta para uma metodologia sistematizada e prática por meio de vídeo-aulas, ebooks e materiais de apoio que incentiva a autonomia do aluno no seu processo de aprendizado musical. Palavras chave: ensina de teclado, tecnologia, internet. Abstract: This paper presents a research project investigating the teaching proposal for a keyboard teacher who works through the Internet. Aims: to verify the conceptions of teaching that underlie the proposal; identify the procedures proposed for the development of teaching and learning through internet; which raise the technological means used in teaching; learning of this teacher, analyze the teaching material used. The methodology is a case study whose techniques of data collection consists of semi-structured interviews through Skype and comments through the blog, the forums. The research points to a systematic methodology and practice through instructional videos, ebooks and support materials to encourage learner autonomy in the process of musical learning. Keywords: teach keyboard, technology and internet.

1

A pesquisa trata-se do Trabalho de Conclusão de Curso, do curso de Licenciatura em Música da UFPB. A elaboração do projeto foi na disciplina TCC 1, com orientação da Prof. Dra. Maura Penna. A elaboração do TCC – disciplina TCC 2está sendo orientada pela profa. Ms. Juciane Araldi.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-1-

Introdução A presente pesquisa se propõe investigar a proposta de ensino de um professor de teclado2 que atua através da internet analisando, portanto suas contribuições para o campo pedagógico musical. A partir dessa finalidade, foram delimitadas outras questões tais como: quais são as concepções do ensino que fundamentam

essa

proposta?;

quais

os

procedimentos

propostos

para

o

desenvolvimento do processo de ensino/aprendizagem através do uso da internet?; quais os meios tecnológicos utilizados durante o ensino/aprendizagem desse professor?; como esta estruturado o material didático? O termo internet refere-se à International Net - Rede internacional (de computadores). É, na verdade, uma expressão informal em inglês. Poderíamos chamar em português Inter-rede. Ou seja, um lugar que é frequentado a todo instante por um imenso número de usuários de todas as idades, de todos os lugares em busca tanto de informações que atendam seus interesses, como também para fazer transferências de dados como comunicação instantânea, compartilhamento de arquivos, entre outras coisas que implicam diretamente na crescente interação e troca de informações entre músicos, professores de música, etc. É natural que esse contato com a internet se intensifique cada vez mais, e que tanto a procura da informação, como pelo conhecimento do saber venham abrir novas oportunidade de trabalho. Como diz (LÉVY, 2001), “É em cima disso que precisamos trabalhar”. Então, de que forma o ensino de música através da internet pode ser realizado? O ensino de música através da internet ocorre por meio dos sites3 (prestadores de serviço) especializados disponíveis em rede. É o caso das empresas especializadas em ensino musical caracterizadas pelo desenvolvimento de cursos

2

O termo “instrumentos de teclado” será empregado no estudo com referência a qualquer tipo de instrumento deste gênero, sem distinção entre instrumentos acústicos ou elétricos. 3 Site é o conjunto de páginas (espaço) da Internet que é ocupado com informações (texto, fotos, animações gráficas, sons e até vídeos) de uma empresa ou de uma pessoa.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-2-

não presenciais através de vídeo-aulas. Ou ainda pelo próprio Youtube4, por ser um site que permite seus usuários (professores, alunos, entre outros) carregarem e compartilharem seus vídeos em formato digital, viabilizando assim a facilidade na comunicação do ensino/aprendizado. Para a implantação das tecnologias como a Internet e o computador no campo

da

educação,

vale

salientar

que

o

educador

não

precisa

ser

obrigatoriamente um especialista em informática para saber como lidar com os benefícios desse conhecimento em suas atividades pedagógicas. E sim, ter um certo preparo teórico-prático, e um apreço com essas tecnologias. Obviamente, que é bem melhor quando esses conhecimentos técnicos e pedagógicos crescem juntos, simultaneamente, demandando novas idéias um do outro. Sabe-se que através de um simples manuseio no computador, ou uma navegada pela internet estamos diante de diversos métodos de aprendizagem para diferentes instrumentos, aulas de teoria musical, artigos sobre história da música, exercícios de percepção musical, além de partituras, cifras, mp3, vídeo-aulas, softwares musicais, etc. E assim, tendo em vista a internet como um veículo educativo musicalmente em expansão nos dias atuais que proponho investigar o seguinte problema de pesquisa: Como se desenvolve a proposta de ensino de um professor de teclado que atua através de internet? Com os respectivos objetivos específicos: verificar as concepções do ensino que fundamentam a proposta; identificar os procedimentos propostos para o desenvolvimento do processo de ensino/aprendizagem através da internet; levantar quais os meios tecnológicos utilizados no ensino/aprendizagem desse professor; analisar o material didático utilizado. Em busca de compreender essa relação entre as tecnologias digitais e o ensino/aprendizagem musical, segue-se uma breve revisão de literatura sobre essa temática que contribuirão para a análise dos dados desta pesquisa em andamento.

4

O Youtube foi fundado em fevereiro de 2005 por três pioneiros do PayPal um famoso site da Internet ligado a gerenciamento de transferência de fundos (site acessado em 3 de junho 2010).

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-3-

Tecnologias Digitais e Educação Musical Nas últimas décadas temos assistido a uma ampliação considerável das tecnologias. Para a área da Educação Musical no Brasil, isso tem implicado na expansão da produção científica e tecnológica que, a cada dia, têm elaborado reflexões acerca dos novos meios sobre os processos de ensino-aprendizagem da música tanto em contextos formais quanto informais. Ou seja, professores que possuem vários procedimentos de ensino/aprendizado, e que ministram aulas a números praticamente incontáveis de alunos (motivados e cheios de atitudes, sendo esses, muitas vezes os próprios construtores de seus currículos) com os meios tecnológicos mais variados possíveis: como as vídeo-aulas através de internet. Como diz Montreal citado por Gohn (2003) O potencial oferecido pelas tecnologias para o ensino musical é hoje tão grande quanto inexplorado e somente a pesquisa e o desenvolvimento de novos materiais didáticos é que tornará efetiva a contribuição dessas ferramentas (MONTREAL, apud Gohn, 2003, p.11).

Diante do processo de globalização em que vivemos, surgem a todo instante novas

influências

tecnológicas

na

produção

do

conhecimento,

levando

consequentemente a novas flexibilidades e redirecionamentos também no campo do ensino musical. Assim, diversos autores têm estudado as práticas do ensino-aprendizado musical, entendendo que os meios tecnológicos, representam uma grande influência no que diz respeito ao sucesso dessa abordagem (GOHN, 2003; MOORE, 1997; FALKEMBACH, 2005; MARTIRANI, 1998; WEBB, 2007). Sobre essa temática, o conceito tecnologia terá uma melhor explanação no trabalho de F. Richard Moore. Este autor define tecnologia como: [...] do grego techne (arte) e logos (palavra ou discurso) – é a soma dos modos através dos quais são alcançados objetivos práticos e estéticos. Uma nova tecnologia tanto permite que objetivos tradicionais sejam perseguidos por novos meios quanto possibilita que sejam definidos novos objetivos (MOORE, 1997, p.1).

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-4-

Moore (1997, p.1) ainda ressalva que estamos diante de um quadro de não mais decidirmos se a tecnologia existe ou não e sim, decidirmos como utilizá-la. Para isso, Falkembach (2005) fala sobre o papel do professor na utilização de tecnologias, afirmando: “para que um software educativo cumpra sua finalidade é preciso que o professor saiba selecionar e planejar os materiais escolhidos” (FALKEMBACH, 2005, pag.2). Dentro da educação musical e sobre a perspectiva do professor, Gohn em seu trabalho diz: [...] a figura do professor-educador está envolvida nesse processo como o produtor-organizador do material que servirá de mediação para o aprendiz, seja este um texto, um vídeo, um website ou qualquer outro meio. (GOHN, 2003; p. 13).

Esses materiais como textos, vídeo utilizados pelos professores podem ser determinantes na tentativa de criar espaços de aprendizagem mais ricos, principalmente em estudos à distância. Martirani (1998) relata que “a linguagem videográfica ao articular som e imagem, articula uma rede de signos que orientam o processo comunicativo, ora para a percepção, ora para a cognição” (MARTIRANI, 1998, p. 39). Ainda Webb (2007) destaca que a interação com os vídeos, por exemplo, disponíveis no Youtube proporcionam uma maior criatividade nos ouvintes, além de desenvolver aspectos como a memória aural, visual, espacial, dentre outras. Segundo ele, a apreciação dos vídeos promove a reintegração e o múltiplo domínio dos

elementos

musicais,

além

de

contribuir

para

uma

crescente

“reconceitualização na educação musical” e “um significado maior para a educação musical contemporânea” (WEB, 2007, p. 158). Ao observar os recursos tecnológicos5 utilizados por esses professores no ensino-aprendizado como ferramenta para o desenvolvimento do aprendiz no

5

Computador, internet, MP3, televisão, videoclipes e etc.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-5-

teclado, surgem algumas idéias sobre a metodologia que foram encaminhadas para esta pesquisa, apresentadas a seguir.

Metodologia De acordo com Mann e Stewart (2004: 4), “é ao menos surpreendente que a conveniência da Internet na condução de pesquisas permaneça relativamente inexplorada”. Para estes autores, a internet facilita a condução de pesquisa qualitativa de uma forma mais conveniente e eficaz do que quando a mesma pesquisa é conduzida através de meios convencionais. Para Denzin e Lincoln (2000), a entrevista é uma conversa, na qual impera a arte de fazer questionamentos e ouvir; além disso, devido à forte crença da sociedade no seu poder de geração de informações úteis, “a entrevista se tornou uma parte indubitável da nossa mediada cultura de massa” (DENZIN e LINCOLN, 2000a: 633). Assim, apoia-se nas entrevistas como fonte de informação, pressupondo-se que elas resultem em retratos verdadeiros e acurados (FONTANA e FREY, 2000). Mann e Stewart (2004) ainda listaram as vantagens que, em sua opinião, são apresentadas pelas entrevistas on-line como: ampliação do acesso a participantes; economia de custo e tempo – “uma das mais poderosas vantagens do uso da Internet por pesquisadores qualitativos” (MANN e STEWART, 2004: 21); eliminação do viés em que se incorre nas transcrições – tem-se, ao final, arquivo com a interação original, o que é prejudicado na transcrição de entrevistas face a face, devido à existência de muita linguagem não verbal; manuseio mais fácil dos dados. Pela perspectiva do respondente, sua participação é mais amigável, pois a Internet constitui o ambiente de sua própria escolha, além de ele poder ser entrevistado mesmo sem parar suas atividades por completo. Entrevistas on-line conduzem a um diálogo fácil, pois os chats não demandam uma escrita consciente e literária; pelo contrário, incitam um estilo cotidiano, informal, em que erros são mais facilmente aceitos. Finalmente, Mann e Stewart (2004) colocaram que a

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-6-

Internet é vista como um ambiente seguro, evitando muitas vezes o embaraço típico de interações face a face. 5.1. ESCOLHA DOS PARTICIPANTES O estudo de caso esta sendo realizado com um professor residente em Criciúma-SC, que se utiliza das tecnologias em seu processo de ensino. A escolha desse professor se deu por meio de contatos via internet apartir do seu site sobre ensino de teclado e pela disponibilidade do mesmo em contribuir com a presente pesquisa. Todo o processo de coleta esta sendo feito através da internet por meio de sites especializados em música e de relacionamentos, como: Skype6, Orkut7. Este ambiente virtual de encontro e de troca de informações também faz parte do avanço tecnológico usado por esse professor de teclado. 5.2. COLETA DE DADOS As técnicas escolhidas para a coleta de dados consistem em entrevistas semiestruturadas com o professor de teclado e observações por meio do blog (diário pessoal), dos fóruns (comunidades que o professor participa com os alunos). Vale salientar ainda, que essas duas técnicas para a coleta de dados estão sendo utilizadas de maneira combinada. As entrevistas estão sendo realizadas diretamente com o professor e registradas em áudio via Skype. A escolha dessa ferramenta de comunicação, se deu, devido a preferência do entrevistado por simplincidade e por sua grande utilização e viabilidade no fluir das perguntas e respostas. Trata-se de uma nova forma hibrida que não se encaixa nem tradicionalmente na entrevista (geralmente

6

O Skype é um programa de comunicação pela Internet através de conexões de voz. Com o Skype é possível telefonar entre computadores (gratuitamente) ou entre um computador e um telefone de rede fixa ou telemóvel. O Orkut é uma rede social filiada ao Google, criada em 19 de Janeiro de 2004 com o objetivo de ajudar seus membros a criar novas amizades e manter relacionamentos. Seu nome é originado no projetista chefe, Orkut Büyükkokten, engenheiro turco do Google (site acessado em 3 de junho 2010).

7

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-7-

falada) e nem no questionário (geralmente escrito). A entrevista que será realizada nesse projeto tem o caráter interativo (bate-papo). Onde por exemplo, via Skype: é possível ver o entrevistado, ouvir, falar e escrever. Essas entrevistas são de caráter semi-estruturada (uma vez que possibilitam perguntas fechadas e abertas), onde o entrevistado tem a possibilidade de escrever/falar sobre o tema proposto, sem respostas ou condições impostas pelo pesquisador. A entrevista semi-estruturada proporciona a melhor qualidade de informações, dados mais fidedignos e a melhor utilização do tempo (Pádua, 2005). De acordo com Santos (2008) a entrevista semi-estruturada inicia-se com tópicos gerais, a que se seguem perguntas como: “O quê?”, “Porquê?”, “Quando?”, “Como?” e “Quem”, devendo deixar-se que a conversação decorra de modo fluido. Enfim, essa técnica de entrevista proporciona boa interação entre pesquisador e o sujeito pesquisado, garantindo ao entrevistador a coleta das mais variadas informações que contribuirá para o aprofundamento das questões como: verificar as concepções do ensino que fundamentam a proposta do ensino do teclado através da internet; identificar os procedimentos propostos desse ensino/aprendizagem; levantar quais os meios tecnológicos utilizados como: câmeras ou multi-câmeras, TVs, os software utilizados para a prática, etc. E por fim, analisar o material didático utilizado pelo professor durante o ensino, como as possíveis vídeo-aulas, apostilas e entre outros. Até o momento foram realizadas três entrevistas on line via Skype e já várias observações que estão sendo realizadas por meio de redes sociais como Orkut, blogs (comunidades que o professor participa). Outros documentos como áudio, vídeo serão enviados também pelo entrevistado. E, sendo assim, segue a justificativa para minha pesquisa, que me conduziram à escolha dessa temática.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-8-

Justificativa Tendo em vista o interesse dos professores em ensinar música ou mesmo um instrumento musical (teclado) através do uso do computador (recurso didático) devido a sua capacidade multimídia8. A temática deste projeto, torna-se relevante na medida em que busca entender tanto os processos de ensino/aprendizagem contemporâneos quanto a interação dos mesmos com a tecnologia. Em ascensão desde a última década do século XX, as novas tecnologias trouxeram expressivas mudanças para a sociedade com o popularismo da internet, ao permitir-se a obtenção do som, das imagens9, dos textos e etc. Além disso, a internet por sua vez disponibiliza softwares gratuitos desse tipo multimídia, bem como vários aplicativos que contribuem para o trabalho do professor servindo de apoio para uma formação musical que congrega os aspectos lúdicos contribuindo para uma aprendizagem significativa. Segundo Souza (2003, p. 111), "as mudanças sociais e tecnológicas trouxeram também mudanças nas experiências musicais, contribuindo para outros modos de percepção e apreensão da realidade e os próprios modelos de formação musical". De fato, essas mudanças tecnológicas consequentemente trazem uma contribuição direta na consolidação no campo específico de uma nova abordagem e relacionamento educacional para os estudantes e professores de música em geral. Para a área da educação musical, esta pesquisa contribui a medida que está investigando as diferentes formas de ensinar e aprender música nos diferentes espaços da internet (ou seja, dar aulas nem sempre significa dar aulas em espaços formais e institucionalizados) podendo contribuir para o conhecimento sobre os procedimentos do ensino/aprendizado virtual do teclado. Nesses espaços, os participantes muitas vezes podem ser educadores, músicos profissionais, ou mesmo estar abertos à população em geral. Com isso, os dados e análises decorrentes

8

Multimídias (muito meios) é a forma de comunicação com utilização de múltiplos meios: sons, imagens, textos, vídeos, animações e etc. 9 Visualização dos gestos envolvidos na música, facilitando o ensino-aprendizagem. Como exemplo: as vídeo-aulas.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

-9-

deste trabalho passam a contribuir para o educador musical a obter dados e parâmetros para lidar com essa vertente. Para o campo da pesquisa, esse projeto prima ainda mais interligar os variados campos das ciências, concentrando e promovendo diálogos (entre as duas abordagens da tecnologia e da educação), visando contribuir para se obter maior riqueza e unidade entre elas e também na sua aplicação do ensino de teclado para os novos alunos. No

entanto,

particularmente

o

interesse

sobre

essa

temática

de

“ensino/aprendizagem do teclado através da internet” surgiu de minhas experiências anteriores do ensino de música com o teclado e da constatação de que a internet estava sendo utilizada por colegas de trabalho e também pelos meus próprios alunos. Observei também que hoje em dia a grande maioria dos professores e dos alunos de certo modo, recorre a algum meio tecnológico, como computador, internet, MP3, televisão, videoclipes, seja para o ensino ou para o aprendizado de determinada música ou estilo musical.

Referências Bibliográficas DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. Introduction: the discipline and practice of qualitative research. In: DENZIN, Norman K. & LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). The handbook of qualitative research. 2. ed. London: Sage, 2000. p. 1-28. DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. Part IV: methods of collecting and analyzing empirical materials (introduction). In: DENZIN, Norman K. & LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). The handbook of qualitative research. 2. ed. London: Sage, 2000a. p. 632-643. FALKEMBACH, Gilse Antoninha Morgental. Concepção e Desenvolvimento de Material Educativo Digital. Renote – Revista Novas Tecnologias na Educação, maio. 2005.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

- 10 -

FONTANA, Andrea; FREY, James H. The interview: from structured questions to negotiated text. In: DENZIN, Norman K. & LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). The handbook of qualitative research. 2. ed. London: Sage, 2000. p. 645-672. GOHN, Daniel Marcondes. Auto-aprendizagem Musical – alternativas tecnológicas. São Paulo: Annablumme, 2003. LÉVY, PIERRE. Roda viva: o Brasil passa por aqui. São Paulo: Rede cultura de televisão, 2001. Em DVD 2001. LORENZI, Graciano. Compondo e gravando músicas com adolescentes: uma pesquisa-ação na escola pública. Dissertação de Mestrado. Programa de PósGraduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007, Porto Alegre. MANN, Chris; STEWART, Fiona. Internet communication and qualitative research: a handbook for researching on-line. London: Sage, 2004. MARTIRANI, LAURA ALVES. O vídeo no ensino universitário: uma experiência com a Pedagogia da Comunicação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO, 1998, São Paulo.. São Paulo: ECA – Escola de Comunicação e Artes da USP, 1998. Disponível em: .Acesso em: 7 jul. 2010. MINAYO, Cecília de Souza. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. IN: DESLANDES, Suely Ferreira. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. MOORE, Richard F. Uma abordagem tecnológica da música. University of California, San Diego. Tradução de: Gilberto Carvalho. Departamento de Teoria Gerald a Música. Escola de música da UFMG, 1997, Belo Horizonte. PÁDUA, Elizabete Matalho Marchesini. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. 11ª. Edição. Papirus Editora, 2005, Campinas, SP. PARASURAMAN, A.; ZINKHAN, George M. Marketing to and serving customers through the Internet: an overview and research agenda. Journal of the Academy of Marketing Science. v. 30, n. 4, p. 286- 295, October, 2002. SANTOS, Mario. Características da entrevista semi-estruturada. Sábado, 3 de Maio de 2008 http://mariosantos700904.blogspot.com/2008/05/caractersticas-daentrevista-semi.html. Acesso em 7 de jul 2010.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

- 11 -

SOUZA, Jusamara. Outras escutas da música brasileira. In: Brasil desde Porto Alegre. PANIZZI, Wrana; MIX, Miguel Rojas (Orgs.). Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 103-113, 2003. TERUYA, Teresa Kazuko. Trabalho e educação na era midiática: um estudo sobre o mundo do trabalho na era da mídia e seus reflexos na educação. EDUEM, Maringá, 2006. WEBB, M. Music analysis down the (You) Tube? Exploring the potential of crossmedia listening for the music classroom. British Journal of Music Education, Cambridge, v. 24, n.0, p. 147-164, 2007.

Universidade Federal de Pernambuco - Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologias na Educação

- 12 -